Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
TopoRidesa

Quantidade de etanol na gasolina deve aumentar em 2015

O acréscimo de 25% para 27,5% de biocombustível já está previsto em lei, mas dependia da realização de estudos técnicos

O aumento da mistura etanol anidro na gasolina deve acontecer em meados de 2015, na próxima safra de cana. O acréscimo de 25% para 27,5% de biocombustível já está previsto em lei, mas dependia da realização de estudos técnicos.

Neste ano, devem ser produzidos 26 bilhões de litros de etanol. Um mercado de R$ 21 bilhões em receita para as usinas. Além do aumento da demanda do etanol anidro, o setor espera por mais utilização do etanol hidratado. Para isso, uma das reivindicações é pela mudança na tributação, bem como a melhora no rendimento dos veículos flex. A indústria automotiva rebate as queixas.

– O etanol é praticamente o mesmo. Há 200 anos a gente faz o mesmo tipo de etanol no país. Melhoramos alguma coisa de contaminação, processo, mas o produto, na realidade, é o mesmo. Será que não seria de se pensar alguma mudança do próprio combustível, que traga maior poder calorífico e aumente a eficiência da utilização? É algo mais abrangente para se debater do que jogar esta responsabilidade do paradigma de 70% somente para o veículo – aponta o vice-presidente da Anfavea Henry José Júnior.

Os desafios do setor sucroenergético foram discutidos nesta terça, dia 21, em São Paulo, na Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol.

– O Brasil é o único país em que o consumidor escolhe o seu combustível na bomba, entre um combustível fóssil e um combustível renovável. Acima de tudo, o etanol é uma grande oportunidade para a nossa indústria – diz a presidente da Unica, Elizabeth Farina.

No Brasil, a produção em escala industrial de etanol de segunda geração deve começar ainda neste ano, com duas usinas em operação: uma em Alagoas e outra no interior de São Paulo. A estimativa é de que o etanol de segunda geração pode aumentar em até 30% a oferta do combustível no país.

– O potencial que eu vejo está nas pontas e nas folhas da cana, que representam o aumento de um terço na produção do etanol, com esta palha e esta ponta nós vamos produzir o etanol celulósico ou de segunda geração. No bagaço também, as usinas que utilizam bagaço pra geração de energia sobra em torno de um terço de bagaço que também pode ser produzido o etanol de segunda geração – explica o CEO da Novozymes, Pedro Luiz Fernandes.

Fonte : Canal Rural

Listar Todas Voltar